Da nebulosidade inicial, o Homem limpa os olhos, descobre o silêncio, caminha para o dia em direção à luz. O sagrado não se oculta, está em si, nele, no Homem, à procura da claridade que decorre por entre as mãos.
Do obscuro saber, o mito esmaga a exterioridade, leva o Homem à viagem interior, onde as cores revelam a presença do sagrado que se esmagam no encontro da sensibilidade, no ventre.
Da coisificação absurda, rodeante, o Homem projeta no universo, na tela, a desordem onírica, que espera, necessita, do olho, da água, da lágrima que dá ordem, sentido.
Na inquietude individual, o artista, o pintor, olha o mito, agarra a cabeça, mergulha nas cores, limpa os olhos, desvela a vida.
A Vida...

sábado, 27 de outubro de 2012

A canção que vamos ensaiar na quarta feira


                                                     Dorme meu menino a estrela d'alva
                                                     Já a procurei e não a vi
                                                     Se ela não vier de madrugada
                                                     Outra que eu souber será pra ti
                                                     ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô ô (bis)
                                                     Outra que eu souber na noite escura
                                                     Sobre o teu sorriso de encantar
                                                     Ouvirás cantando nas alturas
                                                     Trovas e cantigas de embalar
                                                     Trovas e cantigas muito belas
                                                     Afina a garganta meu cantor
                                                     Quando a luz se apaga nas janelas
                                                     Perde a estrela d'alva o seu fulgor
                                                     Perde a estrela d'alva pequenina
                                                     Se outra não vier para a render
                                                     Dorme que ainda a noite é uma menina
                                                     Deixa-a vir também adormecer


O nosso maestro vai ser pai de uma menina...pois... agora são só canções ternurentas...:)
Eu e os manos cantávamos esta canção para a Alícia adormecer...mas eu acho que nós adormecíamos primeiro:)

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A tela pronta:)

 
Amanhã a Alícia já pode oferecer a tela à professora
DIANA :)
Uma menina que vi nascer:)
Técnica Mista
Materiais utilizados: Tinta acrílica, pastel de óleo, corretor, cola de brilhantes (cores diversas) e  marcadores:)

domingo, 21 de outubro de 2012

Uma tela para oferecer à professora de ballet da Alícia

 

mais uma bailarina!!

 
 

Uma tela por terminar....

 
Comecei esta tela esta senana...o tempo passa a correr e não dá para tudo.
Vou pintando, vou escrevendo, vou desenhando...
Não vai ficar pronta hoje...não sei quando vai ficar...a Alícia vai participar nela, já combinamos as duas. Está ansiosa que fique pronta porque vai oferecer a tela à professora de Ballet, a Diana.
A Alícia já desde o ano passado que anda a pedir para ir para o ballet. Eu já andei quando era nova, a Mariana também andou durante quatro anos. Por isso mesmo também quisemos lhe dar essa oportunidade.
A Alícia é uma bailarina muito disciplinada...porta-se muito bem nas aulas.
Adora !!!



A Alícia está ansiosa que termine esta tela para oferecer à professora de Ballet

 

sábado, 20 de outubro de 2012

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

segunda-feira, 1 de outubro de 2012